quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Venha Jogar ao Carnaval em Moldes


Moldes vai Jogar ao Carnaval. Por iniciativa da Junta de Freguesia, realizar-se-á no próximo dia 26 de Fevereiro – Domingo Gordo – uma recriação do Carnaval de outros tempos. O Conjunto Etnográfico de Moldes participará e ajudará a reviver brincadeiras de Carnaval que se foram perdendo no tempo. A actividade inclui um Baile de Mascarados, a Leitura de Testamento com a sátira e ditos jocosos que lhe estão associados e a tão característica Queima do Compadre e da Comadre.
Junte-se a nós no largo de Outeiro-Meão, a partir das 14:00. Juntos recuperaremos memórias e não deixaremos morrer as identidades locais.
Além do Conjunto Etnográfico de Moldes, a iniciativa conta com a colaboração da Associação dos Amigos da Cultura e Desporto de Ponte de Telhe, do Centro Cultural e Recreativo de Moldes, do Vale do Viso – Associação pelo Ambiente, Desporto e Cultura de Celadinha e do Grupo de Jovens de Moldes.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

«Arouca Vista de Dentro»

«Arouca Vista de Dentro» era o nome da coluna de Albano Ferreira publicada durante vários anos no extinto jornal arouquense «Defesa de Arouca».

Pelo extraordinário valor etnográfico dos seus textos e pelo inestimável contributo que deu ao Conjunto Etnográfico de Moldes vamos, neste espaço, passar a transcrever os seus textos.

Para melhor conhecimento deste ilustre arouquense transcrevemos o artigo de Alberto de Pinho Gonçalves dedicado a Albano Ferreira publicado no jornal «Discurso Directo» de 05-12-2014. 


«Figuras Arouquenses:

LIII – Albano da Cunha Pinto Ferreira

Vulgarmente conhecido como Albano Ferreira. Nasceu a 12 de Março de 1897, na Praça, Arouca. Filho de Ernesto Pinto Ferreira e Maria Carolina da Cunha Alegria. Neto paterno de José Ferreira de Oliveira, de Vila Nova, Burgo, e Maria Luísa da Conceição, do Rio de Janeiro, Brasil; e materno de João de Oliveira e Cunha, de Ovar, Chefe da Estação Telégrafo-Postal de Arouca, e Rita Ferreira Alegria, de Oliveira de Azeméis. O seu pai exerceu a profissão de escrivão-notário de Arouca.

Talvez a convivência paterna tenha influído na profissão que teve de escrivão judicial, em diversas comarcas do País, incluindo a de Arouca.

Esta sua vivência com as populações, através da sua profissão, deu-lhe um conhecimento extraordinário de todos os aspectos etnográficos e antropológicos da população arouquense, que o apaixonaram toda a vida.

Por tal motivo esteve durante muitos anos ligado ao folclore arouquense, e de um modo especial, ao Conjunto Etnográfico de Moldes, de que foi seu grande divulgador, nomeadamente nos anos 60, do século passado, conseguindo, através do seu grande amigo, o poeta Pedro Homem de Melo, ir várias vezes à RTP, mostrar o nosso folclore.

Quem o quisesse ver zangado era falar mal do folclore e, de um modo especial, do Conjunto Etnográfico de Moldes.

Ainda está na lembrança de muitos arouquenses, aquando da Feira das Colheitas, quando subia ao tablado o grupo de Moldes, para a sua actuação, ia também o «Albaninho» com a sua caixinha de cordões de ouro (pois ele tinha um grande espólio de peças de ouro antigas), e por sua mão os colocava ao peito das raparigas de Moldes, para a sua exibição. Pode dizer-se que era um «doente», no bom sentido, de tudo o que dizia respeito aos costumes e tradições das gentes de Arouca.

Essa sua «doença» levou-o a escrever, durante muitos anos, na imprensa, principalmente no jornal “Defesa de Arouca”, belos artigos que mostram as vivências dos arouquenses, os seus usos e costumes, com uma prosa simples, objectiva e graciosa, que a todos deliciava.

Não resisto a contar uma passagem que se passou na minha presença, há muitos anos. Trabalhava eu no dito jornal, onde ele colaborava, ainda sedeado na rua Dr. Figueiredo Sobrinho (rua D´arca), num prédio hoje em ruínas.

Naquela altura o jornal publicava uma secção denominada “Movimento Demográfico do Concelho”. Ora sobre os casamentos a notícia era dada mais ou menos nestes termos: fulano de tal, do lugar de tal, com fulana de tal, do lugar de tal, da freguesia de tal. Coincidiu que num casamento da freguesia de Canelas, em que há o lugar de Cima e o lugar de Baixo, saiu a notícia que dizia fulano de tal, de Cima, com fulana de tal, de Baixo.

A perspicácia do «Albaninho» levou-o para a brejeirice. E então dirigiu-se ao jornal para adquirir um novo exemplar (talvez para guardar religiosamente...), e com grande satisfação, ria-se do caso.

Não era pessoa religiosa; mas tinha em muitos padres os seus grandes amigos. De um modo geral tinha a simpatia de toda a gente, que o admirava e respeitava.

Era um óptimo conversador. Matinha um diálogo correcto e interessante com todos. Casou em 20 de Agosto de 1922, com Maria Helena Casimiro Leão Pimentel, natural da cidade do Porto, de quem teve dois filhos, o Alfredo e o Rui Pimentel Ferreira, creio que já ambos falecidos.


Faleceu a 7 de Julho de 1978, na sua residência, na freguesia de Massarelos, Porto. A notícia do seu falecimento, só chegou dias depois de ter acontecido, por sua expressa vontade.»