«Arouca Vista de Dentro»

«Arouca Vista de Dentro» era o nome da coluna de Albano Ferreira (1897-1978) publicada durante vários anos no extinto jornal arouquense «Defesa de Arouca». Pelo extraordinário valor etnográfico dos seus textos e pelo inestimável contributo que deu ao Conjunto Etnográfico de Moldes, passamos a transcrever os seus textos com a colaboração de Rui Sousa. 


Ruralismo (1)


In Arouca vista de dentro: Ruralismo (1) de 02-06-1956, pp. 1 e 3

«Que eu conheça, tem o concelho três quintas latifundiárias que, pelo condicionalismo da sua situação, deviam ter, e tiveram no passado, vida própria, específica, diferente do comum dos casais da órbita dos agregados populacionais ou das de fácil acesso. Qualquer delas estava, e todas estão encravadas entre montes. O seu isolamento no passado devia-se ter tornado como que uma espécie de campos de concentração, em que a vida se confinava numa paisagem rígida, condenada, eterna pela repetição: - céu e queiró! Assim a vida doméstica e social da gente da casa estava forçadamente circunscrita ao agregado familiar, sempre estreito. Vivia-se não dentro de uma gaiola, mas no fundo de um alguidar. Este habitual devia ser criado um tipo humano suis generis.
Quero-me referir às três quintas, então importantes, do concelho: à de São Mamede, na freguesia de S. Eulália, à do Toural, na de Canelas e à da Drave, na de Covêlo de Paivó.
Qualquer delas em perfeito isolamento, com vida própria de uma clausura. Vivia-se para a quinta e da quinta. Foi assim, de resto, que nos recuados tempos se fundaram ou instituíram os mosteiros. O mundo começava e acabava ali. Vivia-se bem? Vivia-se mal? Vivia-se pelo menos com suficiência e isso é o que importava. Naqueles tempos a vida era muito limitada – trabalhar, comer, dormir, e as necessidades espirituais não deviam ultrapassar a obrigação dominical de ir à missa na igreja paroquial, desenferrujar a língua no adro com os amigos, e, com a promessa, ir à romaria mais importante da redondeza e então apreciar a música no palanque, e, à noite, os copinhos da iluminação e as «lágrimas» dos foguetes. Economicamente, moeda que ali entrasse, para ali ficava como no fundo de um poço, em aumento dos réditos da fortuna da casa.
Vintém que lá caísse só saía da arca e tornava a ver a luz do dia nos momentos solenes do baptizado ou de casamento que, para as contribuições obrigatórias ao Governo, Governo era então uma individualidade real e humana com retrato nas notas de cem mil réis, a ginástica era outra não com o dinheiro amealhado, que esse era para o que era, mas com dinheiro novo que se obtinha geralmente com umas fornadas de carvão convertidas em níqueis.
Era com este ou outro material, conforme as circunstâncias, transformado em moeda, que o casal se punha quite com o Estado. O dilema em economia era este: - Pôr e não tirar – por que a experiência tinha demonstrado iniludivelmente que donde se tira e se não põe era uma vez uma quinta, era a falta de tino, a miséria, a desonra.
Qual seria a base da alimentação que a quinta, só por si, devia fornecer, aos seus habitantes? Quanto às viandas, o problema para nós não dependia de solução: os porcos, os cabritos, os galináceos asseguravam de longe as necessidades de carne, do conduto. Devia ser motivo de orgulho para aquela gente mostrar a salgadeira bem provida, além do mais, de umas dezenas de presuntos e multidão sem número dos salpicões e chouriças. Pão, base da alimentação dos rurais, era o produto essencial da quinta: comia-se a toda a hora, dava-se ao pobre que por ali aparecesse; vinho, hortaliça e fruta também a quinta os fornecia com abundancia; os gastos nãos os consumiam e todos eles constituíam o rendimento natural da propriedade; era deles afinal que vinha o fundo de receita. Mas o resto, que nós hoje representamos dela massa, pelo arroz e pela batata?
Batata era coisa desconhecida da época, o arroz e massa era preciso comprá-los na venda, e isso, além do gasto, era mimo de que os rurais só usavam nas festas do ano ou quando recebiam visitas que era preciso honrar. Haveria apenas o recuso do feijão, que a cultura do grão-de-bico não tinha tradição na região (deixem passar o ão ão).
Bem sei que é de criar água na boca uma refeição de reluzentos grelos com rojões e uns ovos estrelados ao de cima. Mas nem sempre feijões nem sempre grelos, como nem sempre galinha, nem sempre rainha. Caldo, broa, hortaliça, carne de porco, continuadamente, eternos como a paisagem - céu e queiró, era de derrancar um cristão!
Deixo o problema aos entendidos de história e culinária.
A quinta de São Mamede, que eu saiba, não tem história. A do Toural teve a «honra» de ser visitada e ter agasalhado, com galhardia, os quadrilheiros do Zé do Telhado. De Mansôres veio um estafeta em alvoroço: Os homens, a quadrilha do Zé do Telhado vem vos assaltar a casa! E veio realmente, mas quando ali chegou já todos os valores, ouro e dinheiro, tinham mudado de posto, e apenas ficara a fortaleza de ânimo para se não darem por achados e dizerem que valores era coisa que não havia, por a vida estar difícil, mas que entrassem, e descansassem enquanto se preparava uns ovos com salpicão ou se liquidava e arranjava um cabrito. E a pinguita escapava. A quadrilha por sua vez foi também amável. Deu uma vista de olhos pelas arcas e esconsos e regalou-se despois com a opípara refeição e possível é que até dormisse a sua sonêca, que a gente da casa era de boa índole. Sorte e diplomacia esconjuraram o perigo.

A de Drave, solar dos Martins, tem lugar à parte pela sua projecção no futuro, que é agora o nosso presente. Mas a sua história fica para uma segunda dose nesta secção, enquanto as «gralhas» vão fazendo das suas, como é costume, e de obrigação.»



Eh, Mansores!

In Defesa de Arouca de 12-05-5-1956, p. 3


«A coisa não pode ficar restrita e contida na meia dúzia de linhas perdidas na secção do noticiário avulso das nossas freguesias. Quero-me referir, e como arouquense faço-o orgulhosamente, ao que se passou na freguesia de Mansores e que se conta em quatro palavras:
44 pessoas trataram de remover a entulheira;
50 pessoas, com uma caminheta, cortaram madeiras e as levaram para o local;
uma turma de carpinteiros se lançou na tarefa de armar cobrir a casa, que tinha a área coberta de 180 metros quadrados – obra que se iniciou no dia 2 e estava concluída no dia 9. Sete dias.
A gente lê e não pode deixar de ficar chocado com tamanho espetáculo de solidariedade e grandeza. Uma freguesia, um povo inteiro, irmanado num mesmo sentimento de carinho e piedade perante a desventura de um casal que sofreu a irreparável perda de dois filhos e a ruína do seu próprio lar.
A freguesia não ficou indiferente perante tamanha desgraça, não se encostou ao muro das lamentações chorando a sorte do seu semelhante e seu conterrâneo; não abriu no papel pautado a relação dos benfeitores que quisessem concorrer com a sua esmola para de algum modo valer aquele casal que perdera os filhos e haveres em pavoroso incêndio. Não! Foi direita aos escombros ainda quentes da habitação que foi um lar e recompô-la, simbolicamente com um ramo de oliveira, mas efetivamente, materialmente, com carinho, transformando-o no mesmo lar.
Só as grandes ideias de solidariedade humana, próprias dos povos cultos ou moralmente bem constituídos é que dão fortaleza de atitudes ou práticas semelhantes às dos habitantes de Mansores. Eh, Mansorianos, como sois grandes! Como eu vos admiro!
A vossa grandeza não se contém só neste gesto de solidariedade. Para quem tivesse olhos de ver, devia notar que a freguesia de Mansôres era, apara da de Alvarenga, no outro extremo, a mais progressiva freguesia do concelho, tanto mais para acentuar que nela se não verificou a existência daquele ouro negro que se desentranhava da terra e se chamava volfrâmio.
Sempre viveu e dilatou com os meios próprios e o bom senso e equilíbrio dos seus habitantes, que, a fora do comum, beneficiaram apenas da influência dos seus mais diletos dos amigos – os pinheiros. Ao contrário dos volframistas de torna-viagem, não se deixou vislumbrar pela quimera da fortuna caída do céu. Esta teve e tem tido destino bem diferente do que se contém deste conceito: água o deu, água o levou! Não se entregou à loucura de, como o volframista, ir de automóvel ao Porto tomar café, de atestar o estomago de vinho e pão de ló! Ligado à terra, o Mansoriano à terra deu e dá o que de bom senso aconselha, no desbravar do torrão, na construção e alinhamento do muro, no continuo levantamento de moradias modernas, higiénicas, no melhoramento da casa velha, na latada, na adubação do agro, na obtenção da água, na luz elétrica, no melhoramento do nível da vida, no aperfeiçoamento, enfim, da sua ética!
É um povo cheio de virtualidades, de que é, exemplo vivo e inconfundível o acto de solidariedade de agora, que transcende o comum dos homens, pela decisão, pela rapidez, pelo inesperado. Eh, Mansorianos, podeis dizer com orgulho:
Nós aqui somos assim!»





Um que se foi
In Defesa de Arouca, de 14-04-1956, p. 7

«Foi com surpresa e emoção, com emoção sentida, confesso-lhes, que recebi a notícia da morte do Manuelsinho do Hotel.
Antes que entre no rol dos esquecimentos, o preito da minha saudade e das minhas homenagens ao homem singular que permaneceu sempre na retina dos meus tempos de rapaz.
Morreu em quarta-feira de trevas, horas ou momentos antes de sair e passar-lhe à porta a procissão dos «fogaréus», um dos encantos da minha mocidade, onde se confundem ainda o toque da rela, os archotes do Cantinho, atirados da torre, o Senhor da Cana Verde, as sete espadas de Nossa Senhora, todo o drama da Paixão, a marcha fúnebre de São Francisco, as luzinhas do rolo de cera das casas da vila e as luminárias de Castro às pinhas do Ferral. Se tal procissão se tivesse realizado, o que a chuva não permitiu, muito dos arouquenses não se teriam apercebido que tinham passado junto do cadáver, de um homem honrado e de um seu conterrâneo que bem sentiu e amou a sua e a nossa terra.
Conheci de perto a vida deste homem singular, apagado, metido consigo, quase misantropo e ao mesmo tempo emotivo, que experimentou, sofreu as contingências da vida e da fortuna e que, calado, ignorado, se deixou morrer naquela casa que era das Meninas Bentas do tempo de rapaz de meu Pai e onde umas velhinhas, de geito senhoril, se mostravam e punham pendentes das janelas, umas colchas de chita antigas e vistosas à passagem das procissões solenes.
Vem assim da minha já longínqua mocidade esse homem com quem nunca perdi o contacto e a simpatia, do tempo em que era conhecido pelo «Manuelsinho do Hot´le» e na mercearia do Cabo da Rua Direita, às tardes, fornecia por dez reis uma isca larga a cheirar a azeite e, por um vintém de fora, um micho e meio de quartilho de vinho a um ou outro necessitado de merenda, como o Pala, à noite, sob a luz mortiça de um candeeiro de «gaz», às mulheres da Rua d´Arca, para o almoço do seguinte, cinco reis de café e quinze reis de «açúcar» mascavado - preço por que ficava para uma família inteira, que já se desabituara da caldo tradicional, e, de manhã, ao abrir das portas, receber a visita obrigatória, ritual, do Adégas e da Gracinda para o mata-bicho com que se iniciava as lidas do dia.
Manuel Ferreira da Silva vem dum passado que ele viveu e eu ainda conheci, em que o teor da vida social, doméstico, e económico, lento e estreito, se surpreendeu e se subverteu perante o cataclismo que teve como rastilho a primeira grande guerra. Mais de que uma vez ele me disse que tinha sido testemunha da mudança radical, catastrófica do mundo, sem ponto de contacto, sem evolução natural de um passado para um presente, dum nundo velho para um mundo novo. O parto da montanha desta feita não deu um rato, mas o automóvel, o futebol, a eletricidade, os rádios, a bomba atómica, a técnica, eu sei lá! – trepidação e assombro!
Assistiu de facto à morte de uma era e ao nascimento e resplendor de outra. E tudo isso se reflectiu nele e de certo modo alterou a sua sorte. Veio a conhecer a insuficiência e até, comercialmente, o descrédito pelos azares da sorte. Mas o que nunca perdeu foi a dignidade, a honradez, o seu desvelado amor pela terra que lhe foi berço.
Foi um ignorado caminheiro solitário. Foi um apaixonado pelas coisas do passado, que recolhia se as visse abandonadas. Defeitos? Admito que os tivesse, que eles são próprios deste barro humano que nós não moldamos.
Devo-lhe atenções e a notícia de curiosidades da nossa terra. Inclino-me perante o seu cadáver, com emoção e saudade. E aqui lhe deixo esta homenagem de amigo e admirador, e de arouquense.»




Aquela Serra

In Defesa de Arouca n.º 36, de 31-03-1956. p. 2

        «Bem sei que o meu amigo já subiu à serra da Freita daquela vez que aproveitou a raridade de um dia bonito, no tempo em que ainda havia estrada, para ver a festa da Senhora da Lágem a regalar-se, encostado à fraga, com o riquíssimo almoço de que fôra prevenido, e foi depois de longada até à Mizarela para ver essa coisa maravilhosa de que muito se falava e era a fecha, a queda de água de cerca de setenta metros de altura, coisa digna de se ver, e que chegado ali, com surpresa sua, sofreu o desconsolo de não ter visto queda nenhuma nem viv´alma do povoado para lhe explicar como aquilo era.
Valeu-lhe até a previdência de se fazer acompanhar de um pingato de estalo para atalhar a suadela e parece-me que ainda estou a ouvi-lo, eu que não estava presente mas sei como elas acontecem, proferir aquela sentença de homem asizado: fica-te Mizarela, a Cascais uma vez e nunca mais!...
Se não fôra o panorama, para si inédito, que disfrutara ao contemplar o vale que tinha a seus pés e os longes que avistara das alturas e sobretudo aquela esplendorosa procissão religiosa, que pelo encanto inesperado muito o surpreendeu, pois donde estava lhe deu por momentos, sob o sol glorioso, com o colorido quente dos andores, das opas e dos atavios das mulheres, em longas filas, a esvoaçar dos rútilos pendões, os cânticos, o tom marcial das marchas musicais, a que só faltava a avançada clássica das trombetas, a visão perfeita, de uma marcha triunfal e ao mesmo tempo propiciatória aquele deus Pan dos tempos Helénicos, - o meu amigo não teria dado por bem empregado, como deu, a estopada que lhe puzera o corpo num feixe e a pele da cara e dos braços queimada como se viera de atalhar um incêndio.
Por aqui ficou o seu contacto com a serra. Voltou a olhá-la como reservatório inesgotável das fontes e das levadas, e, homem do vale, sem interesse.
Longe de si, e de todos nós afinal estava a ideia de que aquela serra viria a ser, como foi descoberta por um engenheiro florestal enamorado, cujo nome não pode deixar de ser aqui lembrado – o Eng.º Freire Temudo, que revelou aos arouquenses estar ali, naquele massiço, um inexplorado elemento de riqueza e encanto.
Começou então o amorio da Administração Florestal, pelo atavio das suas encostas com essências apropriadas, a esmeralda dos seus jardinzitos-viveiros, a salpicadela das suas moradias brancas, a tela da estradinhas serviçais, por onde já singram desde os biciclos puxados por um asno aos palácios  rolantes das camionetas de luxo.
Ali vai nascer a riqueza e a valorização da nossa terra, incompreendida, odiada mesmo, por muitos? Sem dúvida, mas riqueza e valorização.
Já acto assinalado, por ser o da arrancada, foi a abertura da estrada da Granja de Figueiredo às alminhas da Granja e, daqui ao planalto, o arranjo do impossível carreiro de cabras pela encosta eriçada de fragas, onde viria a assinalar-se um brasileiro-regresso que desejoso de ver a sua terra meteu uma «espada» por aquele carreiro e apareceu no Merujal ante a estupefação do nativo, acto heroico que foi depois repetido e ampliado pelo Albino Calçada que, desta vez sem marreta, quis dar cabo de uma camioneta que levou de guinada até aquelas alturas – façanhas tão heroicas, tão brutais, como os daquela lendária travessia do atlântico que espantou as gentes e em que os meus heróis correram idêntico perigo – uns de irem para o fundo do mar e outros para a profundeza da escraviança, sem esperança de se lhes aproveitar a alma...
Todos estes sucessos, meu amigo, têm modificado e estão a modificar a vida íntima, pacífica e silenciosa da nossa serra. Albergaria já tem casas cobertas a telha marselha e perdeu o seu esplêndido isolamento. O Merujal trouxe à baixa, à festa da Feira das Colheitas, a riqueza ignorada das suas danças e dos seus cantares, rapazes e raparigas ricos de genica que o velho Campas agrupou e fez um elemento folclórico que bem pode representar Arouca em qualquer competição.
Já os campistas e um ou outro skiador de boa vontade lhe procuram altitude, a amplidão de horizontes e a neve. Já a Freita tem a honra de ser indicada nos mapas das associações ao ar livre como detentora do acidente geográfico mais importante da Península. Já à Lágem acodem dezenas de automóveis e camionetas; já os de cá da vila vão até lá cima gisar uns almoços e passarem a tarde de papo para o ar. Já outros têm renovado a miragem, que eu já experimentei, de construírem ali um covil para férias ou para entreter os ócios na pesca e na caça. Outros, mais objectivos, tem pensado nos benefícios que se podem tirar com a cultura industrial da batata, à semelhança do que se faz em outras serras com resultado e um ou outro numa casa de repouso para doentes ou derreados.
E tudo isto e muito mais, meu amigo, está apenas dependente do primeiro que arrancar, instalando ali um casebre gelioso a que possa dar um ar de pouzada par os chamados fins de semana da gente da cidade.
A Freita tem condições especialíssimas para se desenvolver e se valorizar, a primeira das quais por estar a dois passos do Porto e depois por ser a serra mais alta, mais acidentada e ao mesmo tempo mais planaltos e bonita ao alcance de mão. Condição fundamental é sem dúvida uma boa estrada de acesso, já, de resto, aberta, mas que preciso é melhorá-la e macadamanisa-la.
Outra é levar até Manhouce para tornar mais rápido o trajecto de São Pedro do Sul, da Beira, afinal, ao norte, aquela estradinha serviçal que os beneméritos serviços florestais já abriram até Gestoso. Naquela e nesta estradinha estão o rastilho de valorização da Freita. Contemos com o dinamismo, sempre patente, da Administração Florestal, que ainda pode exceder-se se nos der a possibilidade de poder mostrar-nos que naquela serra existe de facto o acidente geográfico mais importante da Península, pondo à descoberta, por um miradouro, a fecha, a tal queda de água de que muito se fala e ninguém vê. E o meu amigo, para terminar esta troa de impressões, fica com o especialíssimo encargo de dizer ao velho Campas que não deixe estiolar no Merujal esse filão de encanto que é o seu grupo folclórico, metendo nele gente nova, sangue novo. Valorisemos a nossa terra.»



Albergaria das Cabras
                                                                                  in Defesa de Arouca n.º 36, de 14-01-1956. pp. 1, 2 e 3

  «Não foi, soceguem, qualquer acontecimento ou facto anormal que mereceu ser posta hoje em relevância a mais arrumada, esquecida e pacata freguesia deste concelho – Albergaria das Cabras. Daqui a pouco diremos o motivo que nos levou a chamarmos à «Defesa» a primeira das freguesias na lista do concelho.
Albergaria das Cabras é talvez a mais pobre e a mais curiosa das nossas freguesias. Tipicamente serrana, enclausurada entre penedias, bucôlica, viveu e vive sem problemas. É muito limitada a actividade dos seus habitantes: o granjeio da terra e a pastorícia a paz virgiliana de que falam os poetas.
         Típicos, inconfundíveis quando descem ao vale e sobem a encosta da Freita carregando, atestados, os loucos corporais, destacam-se neles duas estirpes, dois elementos etnográficos curiosos.
     Sendo Albergaria um agregado familiar imposto pela orografia e pelo isolamento, condicionados os naturais a casamentos – dois elementos autoctones os separam contudo: o loiro, de olhos azuis, cabelos encaracolados, altos, erectos, sêcos, do tipo nórdico, e o moreno, com predominância nas mulheres, miúdos, cabelos pretos, retintos, escorregadios, lisos, olhos negros, brilhantes, do tipo arâbico.
         Dois elementos os unem contudo: o patronímico TAVARES e a espêrteza, a inteligência, a desconfiança.
       O patronímico TAVARES, resto de personalidade notável perdida no tempo, que tem vindo através das idades como um seixo rolado no leito de um comprido rio, é tão imperioso que para distinguir os homens se tem de se socorrer do apelido! O Mizarela, o Ruço, o da Venda, o do Meio, o Casanova (o Casanova!) etc. E a desconfiança é um produto típico do isolamento... e do fisco. Nenhum nenhum mortal, que eu saiba, os viu a dançar, a cantar, a tocar qualquer instrumento músico, e sendo uma região de analfabetos todos aprenderam a ler e escrever quando ali funcionaram umas escolas móveis; não acodem a festas, nem mesmos as mais notáveis.
           Que me lembre nunca vi nenhum pelo S. Bartolomeu, pela Senhora da Lágem, as mais atrativas do concelho. Também não aparecem, em primeira mão, a qualquer forasteiro, que lhe devasse a povoação: Não vê viv´alma quem fôr a Albergaria, nem o rapazio, sempre pronto a ver «os tios» em qualquer terra habitável. Todos se metem em casa, silenciosos, quando lobrigam, a convergir sobre a povoação, qualquer mortal estranho ao meio.
          Sendo assim como são, não têm problemas no seu agregado, nem aspirações. São um produto da terra e a terra é para eles a única ambição. Sendo pobres na generalidade, não são contudo medicantes.
        Têm ali os etnógrafos vastos elementos de interesse e de estudo. Aqui se sugere a visitarem Albergaria e a estudarem os seus naturais.
          Feito isto à maneira de introdução, surge agora a razão destas mal notadas linhas – porque não havemos de reduzir e limitar só ao termo de Albergaria o topónimo Albergaria das Cabras? - das Cabras, para quê? Não estará mais certo, mais conforme a razão da fundação da freguesia que o seu nome seja só o de Albergaria?
         Não é novidade para ninguém que a povoação teve a sua origem na fundação pelas freiras do Mosteiro, nos recuados tempos, de uma Albergaria na serra para recolha e pouzada dos viandantes e almocreves, e talvez liteiras com donas e bispos, que do Porto tivessem de tomar a direcção de Vizeu. Era o caminho mais próximo, mais comodo em face da vida romana de que vemos ainda restos junto de Gestoso. A empresa não se tornaria difícil no verão ou ocasião de tempo limpo e firme.
          Mas o mesmo não aconteceria no Inverno e arriscadíssima, diríamos impraticável, seria em períodos de nevoeiro; e quem já experimentou ser inesperadamente apanhado pelo nevoeiro na Freita, sem pontos de referência para orientação, ou nunca de lá sai, por muito que ande, vai ter a algum barranco ou regressa ao ponto de partida, julgando que progrediu na direcção almejada. E naquele deserto pode berrar o que quizer que ninguém, a não ser por milagre, lhe acode. Foi uma necessidade e uma obra de caridade estabelecer naquela serra, ao tempo deserta, uma Albergaria. Desta nasceu a actual freguesia e povoações limítrofes. A Freita seria o Adamastor de granito para os viandantes.
          Povoada a serra, Albergaria ficou sendo o topónimo da inicial pouzada. Fácil e lógico foi o acrescento «das Cabras», por que, animais dos meios pobres e escassos de alimentação, seriam o único a fornecer de carne os moradores da terra. Os currais de então estão ali ainda bem patentes e tirante uma ou outra casa com geito de habitável, o resto, onde vive gente, se confunde com os currais daquele animal daninho e rústico.
          Os tempos são agora outros para Albergaria: Já tem fácil acesso pelas estradas dos beneméritos serviços da Administração Florestal, caminho aberto para a telha, para o vidro, para o baton, paras as meias de Nylon, para o progresso, enfim. Já os seus jóvens naturais frequentam o Liceu.
        E vejam agora o embaraço destes civilizados perante a pergunta duma camarada: Donde é o menino? – de Albergaria das, das Cabras! – ??, de quê? das Cabras?
– Mas isso é um curral!
           Poupemos aos seus naturais e até à harmonia gráfica dos topónimos do concelho, o nem de Cabras, que nada tem de simpático, e de fácil remédio. Por que não há-de ficar Albergaria apenas ou Albergaria da Serra, para os que gostam das coisas mais arredondadas? Bem sei que há por esse país fóra topónimos patuscos: – Escalos de Cima, Alguidares de Baixo, Currais, eu sei lá! Aqui é outra gente.
           Também na nossa freguesia de Espiunca houve uma povoação que mudou de nome por que o primitivo não era dos mais sonoros e escorreitos. Foi Vila Viçosa.
         Nada custou a mudança. Façam as entidades oficiais o mesmo a Albergaria das Cabras. É uma justiça. Seria até uma obra de caridade.»






Sem comentários:

Enviar um comentário

Sujeito a validação por parte do Administrador